top of page

Democracia ou Oligarquias. Quem paga a conta dos novos enlaces políticos?


Composições, coligações partidárias, frente ampla, federações procedem de união, das junções de esforços que no meio político, a princípio, deveriam ser pela democracia e pela promoção do bem comum.

Para você entender melhor estes enlaces matrimoniais políticos, se liga na diferença entre o que é coligação partidária e federação partidária.

As coligações partidárias são namoros efêmeros, aquele namoro útil e líquido que desmancham na primeira tempestade, isto é, são apenas alianças que partidos fazem para aumentar as chances de vitória em uma eleição. No caso das federações partidárias, tem pedido de casamento com registro de papel passado. O noivado vira casamento. São dois ou mais partidos políticos que se unem como se fossem um único partido, e essa união vai durar até o fim do mandado dos candidatos da federação partidária.

Tanto os casamentos de pessoas como casamentos políticos são lastreados com finalidades que podem ser éticas ou não. Partidos políticos podem juntar esforços para cumprir ditames constitucionais: como erradicar a pobreza, a marginalização e reduzir as desigualdades sociais, assim como promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação, porém tem outros casamentos políticos que são atenderem finalidades econômicas e políticas individualistas.

Mesmo com novos noivos, há casamentos políticos que não pautam princípios éticos, e em 2024 diversas prefeituras serão disputadas pelas velhas oligarquias que dominam a cena política há décadas. São dotes caros para governar ao lado daquele majoritário noivo enricado. Pergunta-se: Quem paga a conta do enlace matrimonial? Não tenha dúvida, chegará até erário público e ampliará deficiências sociais.

Tem casamentos políticos que suprimem a democracia e institucionalizam de forma velada, camuflada e clandestina os poderes municipais nas mãos de poucos, minando fiscalizações e principalmente a participação efetiva, independente e diversificada de diversos parlamenteares nos espaços decisórios do município.

Cuidado com os novos casamentos com sorrisos amarelos que fazem juras de amor popular, pois fatalmente você estará trocando nossas instituições democráticas, como a câmara de vereadores, por oligarquias de poder que coordenam interesses econômicos e políticos de forma invisível.

Liga-se no exercício político da sua cidade, política não é somente nas eleições.


21 visualizações0 comentário

Коментарі


bottom of page