top of page

Após falas de Damares, ministério confirma investigação de crimes em Marajó


Durante o evento religioso, a senadora declarou que existem casos de crianças do Marajó vítimas de tráfico para o exterior e submetidas a mutilações corporais e regimes alimentares que facilitam abusos sexuais

Igreja Assembleia de Deus.

O Ministério da Mulher, Família e dos Direitos Humanos emitiu nota à imprensa para confirmar que existem inquéritos instaurados para investigar os casos citados pela ex-ministra da pasta, Damares Alves, de crimes sexuais e tráfico e crianças na Ilha do Marajó, no Estado do Pará. O caso veio a público após a senadora eleita pelo Distrito Federal comentar o tema durante um culto religioso, em Goiânia, capital de Goiás.Durante o evento religioso, a senadora declarou que existem casos de crianças do Marajó vítimas de tráfico para o exterior e submetidas a mutilações corporais e regimes alimentares que facilitam abusos sexuais. Por essa "denúncia", o Ministério Público Federal no Pará (MPF-PA) pediu explicações ao Ministério Mulher, da Família e dos Direitos Humanos sobre as investigações e as ações tomadas para combatê-los.


Nesta terça-feira (11/10), o órgão apresentou a sua versão sobre os casos citados pela senadora. De acordo com a nota, o ministério "esclarece que as afirmações feitas pela ex-ministra Damares Alves foram apresentadas com base em numerosos inquéritos já instaurados que dão conta de uma série de fatos gravíssimos praticados contra crianças e adolescentes".



Na ocasião, Damares afirmou que diante do “horror” vivido contra as crianças, que o presidente Jair Bolsonaro (PL) se levantou para protegê-las e, por isso, vive “uma guerra espiritual” para ganhar as eleições deste ano.


A nota segue afirmando que, especificamente sobre aquela região no Pará, o programa Abrace o Marajó foi criado "como resposta à vulnerabilidade social, econômica e ambiental, que caracteriza uma porção expressiva da Amazônia Brasileira".

10 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page